Notícia SINASEFE IFSul

11 de julho 2019

Congresso da UNE começa com discursos de resistência aos cortes do governo Bolsonaro

Congresso da UNE começa com discursos de resistência aos cortes do governo Bolsonaro A abertura do 57º Congresso Nacional da União Nacional dos Estudantes (Conune) ocorreu nesta quarta-feira (10), em Brasília (DF). O evento reúne cerca de 15 mil estudantes, dos quais 8 mil são delegados. A cerimônia ocorreu sob a coordenação da presidente da UNE, Marianna Dias, acompanhada da vice-presidente, Jessy Dayane, e do secretário geral, Mario Magno. A tônica dos discursos foi a resistência aos cortes orçamentários do governo Bolsonaro (PSL), especialmente na pasta da Educação.Os próximos dias serão históricos para o movimento estudantil brasileiro, segundo Marianna Dias. A presidenta da UNE esclareceu que "o congresso da UNE é um espaço de aglutinação e de organização do movimento estudantil, e a nossa expectativa é que daqui floresçam mais manifestações massivas".Além de lembrar das manifestações conhecidas como 15M e 30M, ela convocou os estudantes para a manifestação do dia 12, na Esplanada dos Ministérios. A passeata está na pauta do 57º Conune, e a reforma da Previdência – aprovada em primeiro turno na Câmara nesta quarta – deve ser uma das pautas de reivindicação. "Sem aposentadoria nós estamos fadados a ter que trabalhar até morrer", ressaltou.Para estes quatro dias de Conune, estão previstos 24 debates, reuniões com 12 grupos de trabalho,  dois atos políticos e uma passeata, além dos atos culturais programados para ocorrer nos locais de realização dos encontros. O primeiro deles foi a apresentação do Grupo Nzinga, de capoeira, durante a abertura do Congresso, no Centro Comunitário Athos Bulcão da Universidade de Brasília (UnB). Após a apresentação, os estudantes aguardavam o início dos discursos de abertura entoando palavras de ordem. Ao toque de tambor e seguindo as orientações dos diretórios presentes, os jovens circularam pelo Centro Comunitário com dizeres contrários ao governo atual e às políticas adotadas. Após a leitura do manifesto "Mais Livros, Menos Armas", foi realizada uma homenagem ao jornalista Paulo Henrique Amorim e do professor Francisco Oliveira, ambos falecidos nesta quarta. Também foram homenageados o professor de capoeira Mestre Moa e a vereadora Marielle Franco, assassinada em março de 2018.À mesa, o presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), Pedro Gorki, enalteceu o sentimento de esperança presente nos estudantes, que vivenciam com coragem o momento político pelo qual o país passa. Ele enfatizou que o 57º Conune representa uma luta em defesa da democracia. "Sobretudo, aqui é uma grande manifestação em defesa da democracia e da educação pública", defendeu.Já a presidenta da Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG), Flávia Calé, declarou ao plenário de abertura a expectativa de que o Conune apresente uma agenda política com capacidade de construir um futuro de esperança.Coordenador do Sindicato Nacional dos Servidores da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), Carlos David de Carvalho Lobão criticou a aprovação da reforma da Previdência. O professor reforçou que o povo brasileiro não pode arrefecer na busca por justiça. "Nós temos que nos perguntar, sempre, quem mandou o vizinho de Bolsonaro matar Marielle", bradou. Estudante de Economia e presidenta do Diretório Central dos Estudantes da UnB, Clarice Menin relembrou edições anteriores do Conune, onde os estudantes estavam à frente das críticas ao governo Dilma Rousseff (PT). Segundo ela, o foco naquela época eram também os cortes financeiros sofridos pelo setor da educação. "Quanto pior o governo, melhor tem que ser o movimento estudantil", concluiu.À reportagem, o presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior no Brasil (Andifes) Reinaldo Centoducatte manifestou preocupação com a fragilidade do setor educacional no país. "Os cortes orçamentários e financeiros que já vêm dos últimos anos se agravaram e, agora, temos a sinalização de um possível corte de 30% dos recursos das universidades e dos Institutos Federais", relembrou. Na manhã de quinta-feira (11), os trabalhos serão retomados com debates sobre ciência, tecnologia e as ameaças à autonomia universitária.
Fonte: Brasil de Fato

Tags relacionadas: